quinta-feira, 21 de maio de 2009

Alguma coisa lembrando a crueldade tantálica

Muito me espantou o artigo “Crueldade Tantálica”, veiculado no site Criatório de Curió Jaú (http://www.curiojau.hpg.com.br/), pertencente ao senhor Antonio Russi, de autoria de Gilson Barbosa(Bahia). O espanto surgiu, não deveria, pois o referido autor em defesa do indefensável utilizou-se de sofismas pretensamente eruditos, de idéias circulares para justificar o amor que nutre aos pássaros. Amor esse que encarcera seu objeto de desejo, para tê-lo em seus cuidados, oferecendo guarida, alimento, água, pasmem espaço para se movimentar, livre de doenças e de seus predadores naturais. Um mundo asséptico, anti-natural.
Não poderíamos deixar de perceber que o autor seja um aficionado e partindo dessa situação faz uma representação descuidada sobre seu estado e grau de interesse. Talvez não sabia ou nunca pensou que existe dois conceitos embutidos nesta discussão: o que é natural e o que é cultural. O homem ao buscar sua emancipação produziu cultura e transformou o que é natural. Mesmo sendo homem natural, por oposição também tornou-se cultural. Ou seja, de sua natureza primeira, construiu, elaborou, teceu, permitiu que, da produção para sobrevivência surgissem tanto do meio natural, como da transformação do natural pela cultural. E dessa forma tornando-se afeiçoado e “avançando” em seu estágio cultural pode aprisionar a representação do natural, do simbólico da liberdade, e trazer para perto de si, para se sentir um pouco mais natural e um pouco mais liberto.
Não existe romantismo, nem amor desabusado, muito menos intocabilidade. Quem defende a liberdade das aves, dos animais, a defesa dos biomas, também pensa no uso sustentável dos recursos naturais. Enxerga que, somente poderemos viver com qualidade com a conservação do que resta e a recuperação daquilo que ainda é possível. A visão é que não pensemos somente no mundo natural e sim como interferimos com nossa cultura nesse mundo natural. Sem descuidarmos que neste processo, é a luta que os homens ensejam pela libertação do seu estado de desconhecimento, das amarras dos preconceitos. Mais ainda, que pensemos no avanço da interação socioambiental.
Outra idéia-força do artigo, é que não podemos humanizar em demasia as aves. Neste ponto concordamos, se não podemos humanizar, muito menos tornar as aves objetos, como enfeites ou apêndices. Uma ave não é um objeto animado, ocupa um lugar, em um certo tempo, distingui-se dos demais, se produz e reproduz, exerce um papel, tem uma função, faz parte de um todo, responde a estímulos, possui herança genética.
Talvez a crueldade tantálica neste caso, seja ver e não enxergar e não permitir a expansão dos horizontes. Quando constatamos que existe a escassez ou até a inexistência de determinadas espécies em uma certa região. Não foi somente o tráfico ilegal de espécies silvestres que levou a este quadro e sim, também a caça e o aprisionamento irrefletido de supostos amantes dos pássaros. O que foi aprisionado em determinada época, deixou sua condição de espécie silvestre? Outra idéia que não se sustenta, a ave aprisionada por muito tempo, não desenvolve amor pela gaiola e por seu criador, é sim uma relação de dependência por aquele espaço circunscrito e pela regularidade de sua alimentação. Como diriam alguns amigos, elas não cantam, apenas lamentam.
Reiterando, a principal crueldade tantálica não é aquela cometida contra as aves, é aquela absurdamente reafirmada para si mesmo.

3 comentários:

Daniela Lima disse...

O Pássaro Cativo
Armas, num galho de árvore, o alçapão;
E, em breve, uma avezinha descuidada,
Batendo as asas cai na escravidão.

Dás-lhe então, por esplêndida morada,
A gaiola dourada;
Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos, e tudo:
Porque é que, tendo tudo, há de ficar
O passarinho mudo,
Arrepiado e triste, sem cantar?

É que, crença, os pássaros não falam.
Só gorjeando a sua dor exalam,
Sem que os homens os possam entender;
Se os pássaros falassem,
Talvez os teus ouvidos escutassem
Este cativo pássaro dizer:

“Não quero o teu alpiste!
Gosto mais do alimento que procuro
Na mata livre em que a voar me viste;
Tenho água fresca num recanto escuro
Da selva em que nasci;
Da mata entre os verdores,
Tenho frutos e flores,
Sem precisar de ti!
Não quero a tua esplêndida gaiola!
Pois nenhuma riqueza me consola
De haver perdido aquilo que perdi ...
Prefiro o ninho humilde, construído
De folhas secas, plácido, e escondido
Entre os galhos das árvores amigas ...
Solta-me ao vento e ao sol!
Com que direito à escravidão me obrigas?
Quero saudar as pompas do arrebol!
Quero, ao cair da tarde,
Entoar minhas tristíssimas cantigas!
Por que me prendes? Solta-me covarde!
Deus me deu por gaiola a imensidade:
Não me roubes a minha liberdade ...
Quero voar! voar! ... “

Estas cousas o pássaro diria,
Se pudesse falar.
E a tua alma, criança, tremeria,
Vendo tanta aflição:
E a tua mão tremendo, lhe abriria
A porta da prisão...

Olavo Bilac

Daniela Lima disse...

Sinto muito em saber que ainda muitas pessoas desconecem a importância ecológica das aves e não compreendem a importância delas nos ecossistemas!!!

Luiz Álvaro disse...

Paulo, fiquei curioso e fui ler o artigo que você comenta. Concordo com você, fiquei até estupefato com os argumentos. Mais uma tentativa, com a consciência muito pesada, do que é injustificável.
A Daniela completou com poesia.
Viva a passarada livre.